» Siga o MELHOR conteúdo do @radialistapessoa no Instagram e fique por dentro de tudo que acontece em sua cidade.
O governo da Argentina anunciou nesta sexta-feira (1) a aprovação do uso da vacina Sinopharm, de origem chinesa, para imunizar crianças de 3 a 11 anos contra a Covid-19, única faixa etária que ainda não iniciou o processo de imunização no Sul País americano.

“É um grande passo em nossa campanha de vacinação e contribui para a escalada de vacinações de adolescentes que estamos planejando para outubro”, disse a ministra da Saúde, Carla Vizzotti, em uma coletiva de imprensa conjunta com seu colega de Educação, Jaime Perczyk.

Cerca de 6 milhões de crianças de 3 a 11 anos podem ser vacinadas, para as quais a Argentina já tem um estoque de quase 10 milhões de doses do Sinopharm e prevê a chegada de 2,75 milhões na próxima semana.

O imunizador de Sinopharm é administrado em duas doses, com 28 dias de intervalo.

“A Argentina terminará 2021 com toda a sua população acima de três anos coberta” contra o coronavírus, prometeu o ministro.

Vizzotti explicou que para esta aprovação confiaram nos resultados dos ensaios clínicos de fase 1 e 2 realizados em crianças na China e nos Emirados Árabes Unidos, bem como na experiência do Chile, onde é aplicada outra vacina “com igual plataforma” em esta faixa etária.

A Argentina recentemente começou a imunizar cinco milhões de adolescentes entre 12 e 17 anos com as vacinas Moderna e Pfizer. No total, até esta sexta-feira, cerca de 22,4 milhões de pessoas completaram o esquema de vacinação (49,7% da população total), e outros 7,4 milhões receberam a primeira dose.

O governo pretende aproveitar a campanha da Covid-19 para concluir o plano de vacinação obrigatória para crianças em idade escolar, que em muitos casos foi interrompido desde março de 2020 em meio ao confinamento pela pandemia.

“Essas vacinas podem ser administradas juntas, será uma grande oportunidade de recuperar os planos de vacinação”, disse Vizzotti.

Há várias semanas, a Argentina registra uma queda substancial nas infecções e mortes diárias por Covid-19, números que nesta sexta-feira foram 1.564 novos casos e 48 mortes, o que levou a uma forte reabertura das atividades.

A Argentina, com 45 milhões de habitantes, registrou 5,5 milhões de infecções no total e pouco mais de 115.000 mortes desde o início da pandemia.

    .

Deixe uma resposta