» Siga o MELHOR conteúdo do @radialistapessoa no Instagram e fique por dentro de tudo que acontece em sua cidade.

Leandro Matozo, da GloboNews (reprodução / internet)

Leandro Matozo, repórter de cinema da GloboNews, foi agredido por um apoiador do presidente Jair Bolsonaro. A brutalidade aconteceu durante a cobertura da visita do político ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, localizado em Aparecida (SP).

Aliás, o ativista pró-governo deu uma cabeçada na cara do profissional durante o feriado desta terça-feira, 12. Assim, o jornalista acabou coberto de sangue, pois fraturou o nariz.

Aliás, Maju Coutinho tropeçou Bocardi e assumiu o comando do Fantástico: “Como contou”

“No final da tarde, nossa equipe decidiu gravar fora da igreja quando fomos surpreendidos por um apoiador do presidente Bolsonaro. Ele se aproximou de nós com palavrões contra a TV e não parou ”, começou Leandro Matozo em desabafo no Twitter.

“A certa altura, eu disse: ‘Se eu pudesse, eu mataria você.’ Após essa ameaça, meu companheiro Victor Ferreira gritou para os policiais que estavam por perto. O agressor continuou a me insultar e então me deu uma cabeçada no rosto. Meu nariz sangrou muito na hora ”, completou o repórter da Globo.

Porém, Tadeu Schmidt confirma ir para BBB22 e trava ao vivo ao sair do Fantástico: “Adeus”

Na rede social, aliás, o profissional ainda relatou que medidas judiciais estão sendo providenciadas. Ferreira, que acompanhou Leandri Matozo na cobertura, disse que o caso agora está com a polícia.

“Registramos ocorrência na PM, que não quis levar o agressor até a delegacia para não ‘prender o veículo’ na DP, pleiteando tal resolução 150. O agressor foi liberado antes mesmo de nós e até levou uma carona no carro da PM para voltar ao Santuário ”, disse Ferreira.

Nota de repúdio à agressão de Leandro Matozo, da Globo

Finalmente Agatha Moreira quebra o silêncio sobre cenas quentes e nudez em Secret Truths 2

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo. Na verdade, ele vê a atitude do apoiador do presidente como um “ato covarde”. “A agressão é um ato de atacar a liberdade de imprensa. Chega à ponta mais exposta desse processo, que é o profissional de comunicação. Trabalhador que, no Dia das Crianças, deixa o filho em casa para trabalhar e é agredido de forma covarde ”, declarou a associação, em nota publicada no Twitter.



Deixe uma resposta