Deus te dê o descanso eterno’, postou filha presa por mandar mat4r* pai, três dias após o crim3

Link do nosso grupo simhttps://chat.whatsapp.com/EYIF9MIL0C9Ksg3Ju1VBsk


Em mensagem veiculada nas redes sociais, três dias após a mort3* do produtor rural Paulo Sérgio de Freitas Miranda, 57, Dayane Claudino Miranda Marcos, filha da vítim* e suspeita de ser um dos mandantes do crim3, chegou a se despedir dela pai com fotos e mensagem de luto. Na época, os amigos de Dayane até escreveram palavras de conforto.

“Pai de luto! Quero lembrar assim de você, que Deus lhe dê descanso eterno ”, (sic), escreveu a mulher que foi presa, nesta quinta-feira (18), dias depois da prisão de seu marido, Tiago da Rosa Marcos. A publicação foi feita no dia 26 de setembro.

Com mais de 400 comentários, a mensagem postada por Dayane recebeu apoio e emoção de muitas pessoas. Em um deles, um amigo da rede social chegou a pedir paciência à família da vítim*, enfatizando que seria feita justiça. “Fique calmo, a justiça do homem falha, mas a de Deus nunca.”

Nesta sexta-feira (19), um dia após a prisão do casal, os comentários foram feitos por pessoas indignadas com o suposto envolvimento da própria filha e do genro do fazendeiro.

“Inteligente, bonita … e agora cúmplice de um assassin4t0”, escreveu uma das pessoas. Outro internauta apontou que “as aparências enganam”, enquanto uma terceira pessoa demonstra indignação com o crim3. “Nojento! Como você ousa?”, Pergunta.

O caso

O homicídio ocorreu em Naviraí, a 342 quilômetros de Campo Grande. Segundo investigações da Polícia Civil, Paulo Sergio de Freitas Miranda, 57, foi condenado a ser morto por Dayane e Tiago, que teriam dificuldades financeiras e desejam receber a herança da família. Além de Paulo, sua esposa e mãe do chefe suspeito, também seriam o alvo do crim3.

Segundo outra filha da vítim*, Nathaliê Claudino Miranda, de 21 anos, sua irmã estava afastada dos pais desde agosto de 2020, por problemas familiares.

“Já imaginávamos que fosse o marido da minha irmã, mas não imaginávamos que ela estivesse envolvida. Mas como tudo aconteceu, quando eles chegaram no hospital, você sabe quando você sente as pessoas? Eu estava observando muito minha irmã e ficamos desconfiados. E quando o marido dela foi preso, pensamos que ela teria uma atitude diferente, mas ela ainda estava do lado dele ”, explica Nathaliê.

A família morava anteriormente em Guaíra, no estado do Paraná, onde a irmã continuava residindo, mas há 5 anos decidiram se mudar para Naviraí, no interior de Mato Grosso do Sul. Thiago, genro da vítim*, foi preso no dia 20 de outubro

Fonte: Gilberto Silva

    .

Deixe uma resposta