» Siga o MELHOR conteúdo do @radialistapessoa no Instagram e fique por dentro de tudo que acontece em sua cidade.

São Paulo – O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) confirmou pelas redes sociais nesta sexta-feira (24) que contratou covid-19. Nesta semana, o deputado se juntou à delegação do presidente Jair Bolsonaro a Nova York, para discursar na Assembleia das Nações Unidas (ONU).

Ao anunciar que contraiu a doença, o filho do presidente afirmou que o fato é mais um argumento contra o passaporte de saúde: “Isso significa que a vacina é inútil? Eu não acredito. Mas é mais um argumento que conta (sic) o passaporte de saúde ”.

“Em NY deu negativo, aqui no Brasil 2 dias depois deu positivo. O meu caso e o da Queiroga são exemplos que desacreditam o passaporte de saúde. Me sinto melhor do que ontem e nem conto o que levei … ”, disse o deputado nas redes sociais, referindo-se ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que se contagiou acompanhando a comitiva do presidente e ficou em Nova York para cumprir com a quarentena.

“Apesar do diagnóstico, estou me sentindo bem e comecei a me tratar imediatamente”, disse o deputado.

No R7, o filho do presidente confirmou a informação e disse que não tem gosto e está com o nariz escorrendo. Eduardo tomou a primeira dose da vacina contra a doença no dia 26 de agosto e tem a segunda dose marcada para novembro.

Eduardo Bolsonaro informou que fez a prova do covid-19 nesta quinta-feira (23) e o resultado saiu nesta sexta-feira. Segundo ele, esta é a primeira infecção por covid-19 diagnosticada nele. “No live de ontem, JB (Jair Bolsonaro) disse que duas pessoas, conhecidas da população, deram positivo. Certamente sou um deles. Não sei quem é o outro ”, disse o deputado.

De acordo com Folha de S. Paulo, “A ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS), e o ministro da AGU (Advocacia Geral da União), Bruno Bianco, também confirmaram a infecção no mesmo dia”.

:: MP diz que tem ‘provas suficientes’ de crack no gabinete de Carlos Bolsonaro ::

A confirmação do diagnóstico positivo do ministro da Saúde fez com que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendasse o isolamento dos integrantes da delegação brasileira. A carta da Anvisa foi enviada na madrugada desta quarta-feira (22) à Casa Civil da Presidência da República. A agência solicitou que os integrantes da delegação permanecessem isolados por 14 dias, conforme recomendado no “Guia de Vigilância Epidemiológica da Covid-19”, publicado pelo Ministério da Saúde.

O presidente Jair Bolsonaro e a delegação brasileira chegaram a Brasília na manhã desta quarta-feira (22). Do aeroporto de Brasília, o presidente seguiu para o Palácio da Alvorada, onde continua isolado.

Deixe uma resposta