Entenda por que fogos de artifício assustam cachorros e gatos

Entenda por que fogos de artifício assustam cachorros e gatos

Link do nosso grupo simhttps://chat.whatsapp.com/EYIF9MIL0C9Ksg3Ju1VBsk


Apesar do resultado positivo, o veterinário Thiago Guerreiro diz que é preciso cautela para não tirar conclusões precipitadas (Foto: FreePik)

A cada Reveillon a história se repete: donos de cães e gatos divulgam, em cartazes nas ruas ou em postagens nas redes sociais, a fuga de seus bichinhos, que sumiam de medo durante a queima de fogos no Véspera de Ano Novo. O problema é tão grave que levou à proibição de fogos de artifício em cidades como São Paulo, Cuiabá, Campo Grande, Curitiba e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal. A medida beneficia não só animais, mas também idosos, autistas, bebês e doentes.

Os cães têm uma capacidade auditiva superior aos humanos e, para eles, ruídos acima de 60 decibéis, o que equivale a uma conversa alta, podem causar estresse físico e psicológico, segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). O ouvido canino é capaz de perceber uma frequência de sons mais elevada, em comparação com os humanos, e pode detectar sons quatro vezes mais distantes. Por isso, a queima de fogos de artifício com barulho, em festas como o Véspera de Ano Novo, torna-se um momento de desespero para os animais, selvagens e domésticos.

“Esse é um problema muito sério”, diz o veterinário Daniel Prates, proprietário de uma clínica no Distrito Federal. “Eu vi um cachorro que passou por uma janela [durante a queima de fogos]. Ele chegou aqui cheio de vidros quebrados enfiados em seu rosto, peito e pescoço. Felizmente ele não cortou a jugular nem atingiu os olhos de vidro. Atendi também o caso de um cachorro que morr3u* de infarto ”, conta.

Além disso, Prates alerta sobre os riscos de fuga e acidentes do animal. “Já recebemos um cachorro que saiu assustado do portão, atravessou a rua e deu partida no carro”. Ele aconselha os donos de animais de estimação muito sensíveis a prestarem atenção especial aos fogos de artifício. “Aconselho colocá-los à vontade com os proprietários, que é onde eles se sentem mais seguros. Se forem presos sozinhos ou deixados fora de casa, acidentes horríveis podem acontecer ”.

Segundo a veterinária Kellen Oliveira, presidente do Comitê de Bem-Estar Animal do CFMV, muitos cachorros acabam sofrendo um “erro de socialização”, que precisa ocorrer no período entre 21 a 90 dias de vida para cães e gatos, e desenvolvem fobias, sons especialmente altos, como fogos de artifício e tempestades.

“Para isso, alguns animais precisam passar por um processo de dessensibilização ou contra-condicionamento. E muitos que infelizmente não passam por esse processo podem morrer por diversos motivos. Dos tutores que sabem que seus animais têm fobia a barulho, pedimos atenção especial agora no final do ano ”, aconselha.

Pontas

Mesmo com as leis da cidade que proíbem fogos de artifício (sons de tiros), eles ainda podem ser ouvidos em grandes celebrações ou dias finais de campeonatos de futebol. Portanto, é importante que as pessoas tomem algumas medidas para mitigar o impacto do ruído excessivo em seus animais de estimação. “Neste momento a dessensibilização não é possível, mas temos outras técnicas que podem ser utilizadas para aliviar o sofrimento dos animais”, lembra Kellen Oliveira. A CNMV oferece algumas dicas importantes.

Primeiramente, é importante manter o animal identificado, com uma etiqueta na coleira contendo o número do telefone e o email. Caso o animal escape, a chance de recuperá-lo é maior.

Outra dica é preparar um ambiente acolhedor para o animal. “Prepare o ambiente e acostume seu animal a um espaço fechado, que abafa o som de fogos de artifício. Pode ser um quarto, lavandaria ou garagem. não deixe o seu bicho de estimação em varandas, próximo a piscinas ou em redes ”, informa a entidade. Lembre-se de que pássaros criados em gaiolas também devem ser protegidos.

Este espaço deve conter “tocas”, como espaços embaixo da cama ou caixas de transporte. Essas tocas devem conter objetos com o cheiro do dono, principalmente se o dono vai passar o Reveillon longe de seus animais. Os gatos, por sua vez, gostam de se esconder em lugares altos, como em cima de armários ou prateleiras.

Outra dica da CNMV é não deixar comida suficiente para o seu pet. Se você alimenta seu cão duas vezes ao dia, alimente-o normalmente pela manhã e prepare brinquedos de pelúcia com suas comidas favoritas para fornecer nos horários de pico dos fogos de artifício. Ossos naturais muito grandes, para evitar asfixia, podem ser opções. O objetivo é que ele se motive a se divertir com brinquedos e se preocupe menos com o barulho.

Se seu animal de estimação fica muito estressado, desesperado e tem convulsões ou tenta fugir por portas e janelas, uma alternativa é usar medicamentos calmantes. Converse com um veterinário sobre isso. O importante é chegar a 2022 com seus animais de estimação seguros e bem-vindos.

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta