Delegado da Polícia Civil Marcelo Hercos é baleado em Aracaju, afirma SSP


» Siga o MELHOR conteúdo do @radialistapessoa no Instagram e fique por dentro de tudo que acontece em sua cidade.

Hilton Duarte disse nesta sexta-feira (1) que a Polícia Civil encaminhou à Justiça inquérito civil que investiga os crimes de peculato, associação criminosa e tentativa de homicídio contra o delegado Marcelo Hercos, que foi baleado na tarde do dia 21. Setembro, durante abordagem a três suspeitos de passar notas falsas em loja de conveniência da Zona de Expansão de Aracaju.

“Cristian, Manoel e Daniel foram indiciados pelos crimes de estelionato e associação criminosa, enquanto Wellington, que na verdade pegou a arma e atirou no policial, foi indiciado pelos crimes de associação criminosa, peculato, tentativa de homicídio contra agente da segurança pública e também pelo crim3 de furto, pois durante sua visita aqui em agosto, percebemos quando ele rouba objetos de uma loja ”, explicou Hilton Duarte.

Segundo a família, o chefe continua hospitalizado, sedado, mas apresenta melhora. Ele saiu da UTI cirúrgica e agora está na UTI clínica.

Aracaju — Foto: SSP/Divugação" width="696" height="357" layout="responsive" noloading="" data-recalc-dims="1"/>

Imagem do circuito interno mostra policial abordando suspeitos em Aracaju – Foto: SSP / Divulgação

O crim3 ocorreu no dia 21 de setembro, quando Marcelo Hercos, que estava de folga, abordou três suspeitos na saída da loja, após receber a denúncia de que estavam repassando notas falsas do local. Um deles teria reagido e ferido o agente, dando ré no veículo em que se encontrava e atirando com a arma do próprio policial.

O cacique Marcelo Hercos foi levado ao Huse com três tiros – um no ombro e dois na região frontal (que atingiu o duodeno e o estômago) e, após estabilizado o estado de saúde, foi autorizada a transferência, que ocorreu sem intercorrências. No dia 24 de setembro, foi transferido do Pronto Atendimento Sergipe Governador João Alves Filho (Huse) para um hospital privado

Os três então fugiram em um veículo com placa de Salvador, que estava abandonado em um terreno próximo ao local do crim3. O carro, que foi verificado, tinha marcas de tiros e manchas de sangue.

Os dois suspeitos foram presos no dia seguinte ao crim3, na região de Robalo, na Zona de Expansão da capital. O suspeito do tiroteio fugiu e se entregou à polícia, nesta quinta-feira (23), na cidade de Salvador. Um quarto suspeito, que seria o responsável pelo aluguel do carro usado pelo trio, foi preso nesta sexta-feira (24), na capital baiana. Foi transferido para Sergipe no dia 27 de setembro.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, laudo do Instituto de Criminalística (IC) atestou que as sete notas de R $ 200 que estavam com os suspeitos eram falsas. Verificou-se também que a falsificação não era grosseira, visto que produziam vários aspectos macroscópicos das notas autênticas.

Deixe uma resposta