Zé Peixe é homenageado em vídeo do ator Nelson Freitas

Zé Peixe é homenageado em vídeo do ator Nelson Freitas

Link do nosso grupo simhttps://chat.whatsapp.com/EYIF9MIL0C9Ksg3Ju1VBsk


O ator, produtor e comediante brasileiro Nelson Freitas expressou sua admiração pelo lendário Zé Peixe em seu canal no YouTube. No vídeo, o artista usa a história do praticante sergipano para destacar o quanto é importante as pessoas trabalharem com o que realmente amam. A homenagem faz parte de uma série de vídeos em que o ator reflete sobre a vida.

No vídeo, Nelson conta a história de Zé Peixe e tudo o que fez por amor à sua profissão na Marinha. O ator se refere a Sergipe como a “figura lendária dos mares do nordeste brasileiro” e destaca que Zé Peixe amava o que fazia e ficou famoso entre os homens e mulheres do mar por uma forma muito inusitada de fazer pilotagem.

“Para quem não sabe, o prático é um profissional que leva o navio de fora da barra até o porto e, depois da operação, faz o contrário. Quando o navio está seguro do lado de fora, ele embarca em uma lancha e volta para o porto. Mas Zé Peixe não entrava no barco, pulava e nadava de volta a Aracaju. Dependendo das condições do mar e do clima, isso pode levar até 3 horas. Muitas vezes, a tripulação de navios mercantes estrangeiros, que não o conheciam, entrava em pânico ao ver aquele magricela pular e voltar a pousar em seu braço”, conta.

Nelson destaca ainda que Zé Peixe era um homem feliz e que não estava preso ao que sua profissão exigia. “Ele salvou náufragos, combateu incêndios a bordo, salvou pessoas de afogamento. Ganhou prestígio como herói, condecorado várias vezes com várias medalhas por seus feitos que o levaram a se tornar uma lenda entre os velejadores de todo o mundo”, lembra.

O ator finaliza o vídeo comentando que a história de Zé Peixe serve para inspirar as pessoas neste novo ano. “Que essa história te inspire a fazer o que você ama, sua profissão, não importa quanto tempo leve. O homem que remove montanhas sempre começa removendo pequenas pedras do caminho.”

A publicação rendeu diversos comentários e elogios, principalmente do sergipano e de pessoas que conheceram ou conviveram com Zé Peixe:

“Parabéns pelo vídeo e pela homenagem ao nosso Zé Peixe, meu pai era da Capitania dos Correios aqui de Aracaju, e muito amigo do Zé, que vinha muitas vezes na nossa casa bater um papo com meu pai. Homem simples que andava descalço em sua bicicleta enferrujada, de bom caráter e dedicado ao que fazia. Parabéns Nelson”, dizia um dos comentários.

“Muito obrigado, Nilson. A sobrinha-neta e afilhada de Zé Peixe, agradece de coração”, comentou Lucian Shunk, familiar de Zé Peixe.

“Sua simplicidade e seu amor pelo mar fizeram dele uma lenda, e ele merece ser sempre reverenciado. Salve Zé peixe! Obrigado, Nelson Freitas!”.

Zé Peixe

José Martins Ribeiro Nunes, conhecido como “Zé Peixe”, nasceu em 5 de janeiro de 1927, e desde cedo mostrou desenvoltura na natação. Aos 11 anos já era um excelente nadador e aos 20 foi contratado pela Capitania dos Portos para atuar como piloto, conduzindo embarcações dentro e fora de Aracaju.

Zé Peixe tornou-se uma figura lendária no estado de Sergipe e no exterior por realizar seu trabalho de uma forma bem diferente: nadou até o navio e depois voltou dirigindo o barco para nadar. A prática ganhou destaque em diversas publicações [jornais, revistas e reportagens televisivas] e serviu de inspiração para canções, livros infantis, peças de teatro e exposições.

O prático também era conhecido por sua simplicidade e atos de grandeza e heroísmo. [foi responsável por inúmeros salvamentos, tendo destaque para a ação que resgatou a tripulação do navio Mercury, em chamas, no alto mar, na década de 1970].

Grande conhecedor das águas do litoral de Aracajuana, Zé Peixe morr3u* em 2012, mas continua vivo no imaginário do povo sergipano. Em 2015, o Governo de Sergipe transformou a antiga hidrovia Aracaju no Espaço Cultural Zé Peixe. Lá, você encontra painéis do artista plástico Elias Santos, além de um busto em bronze do homenageado, peças e fotografias.

Por Luana Maria e Verlane Estácio com informações da ASN

Deixe uma resposta